O gigante acordou com o despertador do Zuckerberg

Nas duas últimas semanas todo mundo se perguntou (inclusive quem estava nas ruas), qual era afinal, o motivo dos protestos que aconteceram nas principais capitais do país que rapidamente se espalhou pelo interior e ganhou o mundo em solidariedade ao povo que irá sediar a Copa do Mundo. Em resumo, a causa da insatisfação é advinda principalmente, dos prejuízos sociais ocasionados pela corrupção brasileira praticada pelos nossos governantes.Apesar de render um bom caldo, meu propósito aqui não é opinar sobre as causas nem discutir uma movimentação inquieta por um país melhor. É digno e legítimo o “incômodo”, e apesar de ainda haver controvérsias sobre as consequências desse ato, uma coisa é certa: a mídia tradicional também terá que rever a forma como narra os fatos. A credibilidade de grandes veículos está em jogo, quando quem está nas ruas narra em tempo real o que realmente está acontecendo.

Obviamente qualquer empresa privada tem seus interesses comerciais e políticos e por mais que se tente alcançar o ideal da imparcialidade jornalística, os telespectadores nesse momento são os donos da verdade e a fonte oficial de informação é o Facebook.

A Rede Globo recentemente abandonou seus canais oficiais nas redes sociais, por dizer que não trazia benefício direto à emissora. Coincidentemente dias depois, assistimos a emissora ser pautada em tempo real pelo que falava ao vivo no Jornal Nacional. No dia histórico (17/6), a apresentadora Patrícia Poeta sempre voltava “respondendo” a uma crítica ao jornal feita pelos usuários, dizendo que a tv estava distorcendo as informações.

Um segundo caso que deve ser levado em consideração é o alastramento veloz da manifestação graças à rede de Zuckerberg. Talvez as pessoas não teriam saído do sofá tão depressa, se não tivessem assistido os vídeos que a TV não transmitiu, de manifestantes sendo agredidos em São Paulo. A mobilização criada pelos eventos na rede também foi grande responsável por engajar e responsabilizar aqueles que estavam recebendo os convites e não estava saindo às ruas.

Não estou querendo dizer que as manifestações só aconteceram graças ao Facebook, mas sem dúvida a indignação e a ira para sair de casa tendeu a crescer a cada comentário lido, foto postada ou check in’s feitos em locais públicos aonde aconteciam as manifestações. Esta reflexão estende-se até o ataque cibernético do grupo Anonymous, que também nos diferencia das demais manifestações realizadas.

A manifestação veloz e apoio solidário internacional também é consequencia da participação na rede, sem contar que a “revolução digital” tem uma pressão gigantesca nos perfis oficiais de governantes, que a essa altura devem estar preocupados para contornar as duas crises: atender aos pedidos dos brasileiros e reposicionar suas imagens na internet a pouco mais de um ano.

Portanto, por questão de contexto histórico – e obviamente pela ferramenta mais usada no mundo até então, o Brasil deve um muito obrigado ao Zuckerberg por permitir a manifestação de dentro pra fora e de fora pra dentro da rede com a multiplicidade de interação permitida ou simplesmente, pelo apoio abaixo:

Portanto, se você acha que não pode fazer a diferença pelo Facebook, repense.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s