Redes Sociais: um olhar da psicanálise sobre as mentes narcisas

Uma pesquisa realizada com 294 estudantes e divulgada na semana passada mostrou que quem tem mais amigos no Facebook obteve mais pontos no “Inventário de Personalidade Narcisista”. Eles respondem mais agressivamente nos comentários, mudam fotos de perfil com maior frequência e publicam na rede social mais do que os outros, diz o estudo publicado no jornal científico Personality and Individual Differences.
O resultado pode parecer um pouco surpreendente para muitas pessoas, mas mostra o efeito que a maior rede social do mundo pode trazer para seus adeptos e direcionar os estudos da psicologia social com olhares nas redes e no comportamento dos usuários que, inclusive, despertem tendências suicidas. Não é a toa que o Facebook lançou um sistema que recebe alerta de suicídios e permite aos usuários informar à equipe do site sobre pessoas que estejam dando sinais online de suicídio.
O pesquisador Christopher Carpenter, autor do estudo sobre o narcisismo na rede afirma que “em geral, esse ‘lado negro’ do Facebook requer mais pesquisa para entender melhor os benefícios sociais e os aspectos prejudiciais do site”. “Se o Facebook é um lugar que as pessoas vão para reparar um ego danificado e procuram apoio social, é de vital importância descobrir a comunicação potencialmente negativa que se pode encontrar na rede e os tipos de pessoa que provavelmente vão se relacionar com elas” finaliza.
Por que é preciso levar isso em conta? As redes sociais não são novidade para ninguém e nem é a primeira vez que “querer se destacar no bando” é colocado em pauta. Entretanto, outras patologias como a depressão do usuário “viciado na própria imagem” podem ser desencadeadas e precisam ser consideradas por analistas.
Por consequência do compartilhamento em tempo real, o reforço da imagem é instantâneo e a negação do “não Curtir” pode se tornar intensa em apenas um dia, o que diferencia de grupos exclusivamente offline.
Marketing x Psicologia


O marketing digital nas mídias sociais trabalha, principalmente, com as campanhas que valorizam e reconhecem os participantes e energizadores da marca. Esse reforço social é importante para manter o usuário ativo e engajado com um perfil.
Obviamente a questão da saúde mental deve ser levada em conta pelos analistas, mas a valorização de um usuário é essencial para sobrevivência da marca e não há nada de “anti ético” em querer fazer isso. As marcas acompanham as tendências e os problemas sociais online ou offline continuam a ser um reflexo de uma sociedade individualista, pautada no capitalismo social.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s