Como os usuários participam das redes sociais?

A participação é medida por comentários, compartilhamento e quantidade de fãs e seguidores, certo? Errado. Engana-se quem pensa que o usuário ativo é apenas aquele que produz conteúdo pela marca. Segundo Charlene Li, visionária da internet e referência em mídias sociais no mundo, há várias formas de engajamento. Monitorar o nível de relacionamento do usuário com a marca não é simplesmente esperar que ele se co-responsabilize pelo conteúdo postado. Há vários níveis de engajamento e de participação que vai desde observação até embaixadores.


Observação: No momento de divulgação de massa é possível conquistar usuários que participam apenas observando, lendo comentários de outros nas redes ou acompanhando as atualizações.

Compartilhamento: É preciso ver a forma como as pessoas compartilham as informações. Mas por que as pessoas compartilham? Porque elas se sentem bem por terem ajudado alguém – e por serem vistas por isso. Há muitas formas de estimular esse compartilhamento, usando questões reais e cotidianas para mobilizá-las.

Comentários: Interação com a marca. É preciso estabelecer diálogo claro entre a marca e os usuários, para que eles se sintam parte. Nessa fase é essencial que o usuário se sinta “ouvido” para se interessar em ser um curador. A formação de redes também se estabelece nessa fase, pois ele pode passar a ser ouvido por outros usuários também.

Produção: Os usuários começam a produzir conteúdo. Aqui abre-se o canal de produção por duas vias (marca – consumidor). Blogs criados por instituições com participação coletiva, abertura de espaço para postagem de vídeos e campanhas originadas pelos próprios colaboradores.

Curadoria: No meio dos membros de uma plataforma colaborativa é importante eleger pessoas que atuarão como embaixadoras, com o papel de entender as necessidades, identificá-las e levá-las ao moderador.

Mas porque é importante saber disso? O que importa não é a tecnologia, mas as relações que você forma nas redes. É imprescindível saber o que as pessoas fazem, pensam e o que elas esperam. Isso é entender o que as tecnologias sociais podem fazer a nosso favor.