Diga-me o que monitoras que te direi quão eficaz são suas redes

O monitoramento das redes sociais é tão importante quanto ter um perfil atualizado, que responde prontamente aos seus clientes. Os acessos originados de canais fora do seu site são fundamentais para dizer sobre a visibilidade e apontar novos caminhos para o marketing bem planejado. Sabemos que acessos também não dizem tudo sobre a aprovação dos clientes. A análise do comportamento dos usuários com a marca é fundamental para guiar estratégias. É preciso que as empresas entendam que muito mais do que divulgar-se nas redes é importante saber ouvir e relacionar-se com os clientes, pois muitos deles vão dizer nas redes sociais, impressões que eles jamais diriam a uma pesquisa física, quando ganham brindes em troca de respostas.

Existem várias ferramentas e empresas que vendem (e lucram com) esse serviço. Entretanto, as ferramentas gratuitas também tem atendido muito bem essa demanda.

A novidade para muitas pessoas é a possibilidade de monitorar acessos advindos das redes sociais através do Google Analytics. Trata-se de uma ferramenta de monitoramento de tráfego gratuita oferecida pelo Google e com grande aceitação por parte do mercado publicitário. Por ser uma ferramenta completa e de fácil implantação, a ferramenta é muito utilizada o que a fez se tornar um padrão no segmento da web análise. Uma das grandes vantagens dessa ferramenta, que por default já vem com mais de 80 indicadores, é a possibilidade de criação de novas métricas, adaptadas às necessidades específicas de cada usuário, como Filtros e Segmentações Avançadas.

Os acessos a um site vem sempre com o indicativo de onde estava o link que levou o usuário até o site, e assim, o Google Analytics consegue identificar de que site ou mídia social o acesso provem. O problema é que no caso específico das redes sociais, esses links assumem diversos formatos e por isso precisamos de configurações especiais no Analytics.

Não inseriu suas redes sociais na sua análise do Analytics? Vale a pena, pois é possível ainda, comparar acessos originados no site X acessos vindos das redes socais.

Se você não sabe como adicionar essa ferramento no Google Analytics, veja aqui.

Por falar em ferramentas…

A partir de agora, você pode se conectar com os seus antigos colegas de faculdade e cursos de pós-graduação no LinkedIn. O serviço lançou uma nova ferramenta chamada Classmates, que torna mais prática e objetiva as buscas dos nomes por instituições de ensino, através de novos recursos.

O Classmates oferece aos usuários da rede social profissional novas possibilidades para se conectar com colegas de universidade e faculdade, podendo ainda escolher qualquer instituição de ensino superior para verificar onde a maioria dos colegas acadêmicos estão trabalhando, onde vivem, e quais são os seus principais meios de comunicação (telefone, e-mail, redes sociais, etc).

Um case sem querer

Não tem como deixar de mencionar o poema que o banco Bradesco usou para responder o usuário nessa semana.

A ação foi tão bem sucedida, que uma mensagem direcionada a um usuário pautou os principais veículos de tecnologia com uma pauta positiva para o banco.

A empresa ainda saiu como bem posicionada nas redes sociais, personalizando o atendimento com os clientes.

Anúncios

Novas mídias, grandes negócios

Não é novidade pra ninguém que as redes sociais vem há mais de 5  anos movimentando o mercado da publicidade e do marketing digital. Entretanto, com as ferramentas de métricas e monitoramento do ROI, as empresas tem acreditado e investido cada vez mais em comunicação nos canais que não simplesmente “vendem”, mas que ouvem e identificam o perfil dos usuários.

Uma pesquisa realizada no instituto Gartner e divulgada essa semana no  ComputerWorld concluiu que as redes sociais vão movimentar US$ 10,3 bilhões até o fim de 2011, o que representa alta de 41,4% em relação a 2010. A expectativa é que o crescimento se mantenha em 2012, atingindo renda anual de US$ 14,9 bilhões, e chegando em 2015 a US$ 29,1 bilhões de dólares.

Os números são compatíveis com a pesquisa divulgada pela IBM, na qual 82% dos diretores de marketing entrevistados afirmaram que elevarão os investimentos em mídia social nos próximos cinco anos. Apesar da lenta mobilização das companhias, as redes sociais estão aumentando rapidamente sua renda, graças, principalmente, à publicidade veiculada nelas. Dos US$ 10,3 bilhões, 53% virão de anúncios e, no ano que vem, o montante deverão atingir US$ 8,2 bilhões.

Na contramão do investimento

Apesar da expectativa de crescimento da verba investida nas mídias sociais, um estudo realizado pela socialbakers revela que apenas 5% dos posts em páginas de marcas no Facebook recebem respostas. O setores de telecomunicações e aviação detém as taxas mais elevadas de interação, mas mesmo assim, ainda foram muito baixas, cerca de 26% e 28% respectivamente. Por outro lado, a indústria da mídia responde apenas a 1% dos usuários que escrevem em murais.

Enquanto isso, o número de adeptos às redes crescem

Twitter bate a marca de 250 milhões de tweets diários

O CEO do Twitter, Dick Costolo, compartilhou algumas estatísticas interessantes sobre o crescimento do microblog durante uma entrevista no Web 2.0 Summit, em San Francisco, incluindo que existem mais de  100 milhões de usuários ativos, que fizeram login há ao menos um mês, e que as inscrições via dispositivos móveis triplicaram desde o lançamento do iOS 5.

A empresa superou 200 milhões de tweets por dia em junho, hoje já são 250 milhões de tweets diários. O crescimento tem sido enorme: o Twitter tinha cerca de 100 milhões de tweets por dia em janeiro de 2011 – um crescimento de 150%.

Dos 100 milhões  de usuários globais ativos, metade deles no fazen login diariamente. O crescimento da empresa equivale a cerca de 40% por trimestre em dispositivos móveis.

Esse texto também está na minha coluna no blog TudiBão