As empresas ainda não sabem o que os usuários buscam nas Mídias Sociais

Sou formada em jornalismo há 3 anos e há 2 trabalho com web, sempre ouvindo a mesma pergunta: “Então quer dizer que você migrou pra publicidade, né?”. Não, não migrei pra publicidade, trabalho com publicitários e sou adepta da interdisciplinariedade, que aliás, abrange a área de comunicação. O que as pessoas confundem é que por se tratar de uma ferramenta de marketing, as mídias sociais são exclusivamente, artefatos da publicidade.

Ouso a dizer que pelo tempo de experiência, o que acontece é o contrário. O usuário não está interessado num primeiro momento, a comprar nada pela internet. Se ele segue determinada empresa ou instituição, está em busca de informação. Aquele profile que mais lhe trouxer utilidades, com certeza será o mais bem sucedido na hora de vender alguma coisa (se estiver com esse propósito).

SPAM e newsletter publicitárias, o usuário já está cansado de deletar do seu próprio e-mail. Portanto, nas mídias sociais, o buraco é mais embaixo. O leitor é quem escolhe o que vai querer ler. Se não gostar, ele próprio vai espalhar várias mensagens contra a sua empresa e se for muito influente, ainda pode ser responsável por um buzz negativo incalculável para seus negócios.

Outra questão que ainda pauta muitas empresas são as promoções. Para quem está se lançando hoje nas Redes Sociais, com certeza fazer um sorteio ou Concurso Cultural é extremamente eficiente para captar novos adeptos. Entretanto, esses usuários tardiamente podem não ser os seguidores de mais qualidade. Por isso, a informação bem passada é fundamental para disseminar sua credibilidade. Quantidade de seguidores não é qualidade. Ou seja, não adianta ter 30.000 usuários passivos ignorando a sua marca na internet.

Outro erro constante: “a visibilidade é gratuita e não é preciso conquistar o consumidor pelo texto”. Pelo contrário. O conteúdo para o consumidor que não paga nada para acessá-lo é ainda mais exigente. Além de filtrar o que quer ler, o usuário é também produtor e emissor-receptor. Ele questiona e quer respostas na hora. Portanto, basta um clique sem interação com o usuário para se ver perdido na rede.

Parece simples, mas é o que pouca gente observado. E a sua empresa/cliente, o que tem feito para manter essa imagem?