A diferença entre BIG DATA e SMALL DATA e o real desejo de compra

big_data_psicologia_consumo

small_data_vendaEstou terminando a leitura do livro Small Data: como poucas pistas indicam grandes tendências do Martin Lindstrom (2016),  mesmo autor de A lógica do consumo. Lindstrom não é psicólogo, antropólogo ou cientista social, embora desempenhe um pouco do papel desses três profissionais. Ele é um consultor em marcas e já desenvolveu trabalhos nos quatro cantos do mundo fazendo pesquisas com consumidores em busca de elementos de Small Data, que explicitarei mais adiante.

A discussão de Lindstrom é extremamente atual – não apenas pela data do livro, que de fato conta experiências recentes, mas porque traz uma questão muito importante para as marcas que anseiam desesperadamente por informações de seus consumidores: afinal, porque as pessoas compram um produto e não o outro? A ideia central é mostrar como o mapeamento de dados e o cruzamento de informações proposto pelo Big Data pode não ser eficiente para trazer essa resposta. 

Bom, nos parágrafos a seguir eu reúno algumas percepções de Lindstrom com os conhecimentos que tenho na área de Marketing Digital e Psicologia do Consumo (sendo Jornalista e Psicóloga focada nessa atuação sinto-me confortável por ‘tomar essa liberdade).

Por que o Big Data pode não ser eficiente?

O Big Data é uma tendências dos tempos atuais por trazer uma resposta ao número infinito de informações publicadas por usuários de Redes Sociais diariamente. Na tentativa de agrupar e ‘dominar’ esse volume, as ferramentas de Big Data oferecem gráficos maravilhosos que trazem informações quantitativas e qualitativas que auxiliam na tomada de decisões das empresas. A partir do mapeamento da rede é possível traçar caminhos e direcionar o investimento em um produto ou serviço que responda aos anseios e questionamentos que nós tornamos públicos através de nossos perfis na internet ou em sites que coletam informações a partir das nossas experiências de uso (como os de avaliação de destinos turísticos, produtos etc).

A questão é: somos verdadeiramente honestos em nossas Redes Sociais? Quantos de nós realmente assume que o hotel que está hospedado de férias é péssimo em plena timeline do Facebook? Na minha pesquisa de graduação na Psicologia investiguei o “Compartilhamento na rede social como construção de identidade” e percebi que tornamos público uma imagem que não é necessariamente nossa, mas corresponde ao nosso “eu gêmeo”, como Lindstrom define como ‘quem realmente gostaríamos de ser’.

Quando não aprovamos um serviço, é claro, a primeira atitude que temos é ir na página da empresa no Facebook e reclamar, na tentativa de ser recompensados de alguma forma. Sob a ameaça de ter o filme queimado, as empresas melhoraram muito os seus serviços de atendimento ao consumidor (SAC). Entretanto, ‘na grande rede’ de informação só é possível ver o melhor de nossas experiências. Desconheço alguém que esteja em viagem de férias publicando como está terrível ficar hospedado naquele hotel.

Aí vocês vão me dizer que existem ferramentas de mapeamento de informação digital focadas nas informações fora ‘da grande rede’. Sim, de fato existem aquelas que tentam filtrar com o máximo de fidedignidade possível e que rastreiam apenas as ‘experiências reais’ em sites de reclamação. Por outro lado, desafio você a entrar numa página do Trip Adivisor e não encontrar pelo menos um comentário que seja subjetivo (e não uma crítica diretamente), tal como: “a cidade não é tão limpa”, “não gosto dos pães que estão no café da manhã do hotel” ou algo do tipo. Ou seja, o que estou querendo dizer é que o Big Data mapeia de forma inteligente – e ainda bem que ele existe, senão não teríamos como ter o menor controle do volume de informações, mas ele deixa escapar o lado da humano da informação, que muitas vezes não é dito. 

A informação aparece de forma tangível, mas o que de fato ela traduz? Em qual contexto ela está inserida? Quem são essas pessoas que estão dizendo? O que a experiência delas nos diz?

É aí que entra o Small Data…

O detalhe ‘humano’ da informação é que traz esse conceito que Lindstrom define como o lado real da informação que tornamos pública em qualquer espaço. É essa informação que escapa do consciente e que de fato define a falha de um produto ou marca.

Para ele, basta conhecer pessoalmente, 10 pessoas (em seu habitat natural) que representam o público alvo de uma marca para compreender o que de fato elas pensam ou anseiam enquanto ser humanos – e não apenas consumidores. O contexto social, político e religioso que as pessoas se enquadram dizem muito sobre o desejo que as motivam comprar. Em uma pesquisa que ele fez visitando casas de chineses conseguiu perceber que os homens são rígidos e ‘durões’, moldados pelo contexto, mas que no fundo sentem falta de elementos da infância. As marcas que captam essa informação atendem aos anseios desse homem, ainda que não digam que trazem elementos infantis em seus contextos.

Aí entra o paradoxo: você acha que um chinês, moldado pelo sistema político em que vive vai admitir em qualquer social público que tem anseios infantis? Há uma diferença enorme entre o que é dito e o que é mostrado. As pessoas exibem-se nas redes sociais pela forma com as quais querem ser reconhecidas socialmente, não pelo que elas realmente desejam.

Pensemos no caso de uma pessoa que luta contra a balança e está muito atenta em manter a boa forma física. Qual das duas opções é mais provável?

  1. Ela postar uma foto na academia, para mostrar para si própria e para os outros que está correndo atrás do peso ideal.
  2. Ela postar uma foto de uma caixa de bombom vazias, assumindo ter acabado de comê-la sozinha?

Essas experiências, é claro, são individuais, mas se formos calcular pela probabilidade, o Big Data deixaria escapar uma informação muito importante aí, já que ele só mapeia o que está público. Ainda nesse exemplo, vocês acham que uma marca saudável acertaria mais confiando em uma mapa das redes sociais de pessoas acima do peso ou numa conversa e numa observação de comportamento dessas pessoas?

Essa discussão vai longe, mas como também sei que esse texto já está num formato imenso para internet e que você está louco para voltar para o seu Facebook, encerro aqui reforçando a ideia de que o Big Data é vida, mas o Small Data é humano! E sem sombra de dúvidas, assumo que as empresas que se preocuparem com as duas tendências vendem mais, com certeza absoluta!

 

Marketing Digital para Psicólogos

Estarei no próximo dia 29/8 na Semana da Psicologia, promovida pela Rede Psicoterapias, em Belo Horizonte, para falar de Marketing Digital. Nesse ano, o evento trará o tema “A psiclogia clínica é um negócio?“.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas por aqui.

Levarei experiência da minha empresa para os profissionais/empreendedores que atendem em consultórios de psicologia, área na qual estou quase me profissionalizando para atuar também.:)

Um time fera me acompanha nessa palestra. Veja:

mkt_psicologia

A importância da descrição do cargo  (especialmente para empresas de comunicação)

1

A discussão de hoje é direcionada, principalmente, aos empregadores e aos trabalhadores relacionados ao setor de recrutamento e seleção – se esse não for o seu caso, você pode alertar para a empresa que trabalha.

Está difícil encontrar mão de obra qualificada? Os currículos dizem uma coisa e a entrevista com os candidatos toma um rumo completamente diferente do esperado? Duas coisas podem estar acontecendo aí: ou há currículos mal feitos ou a sua vaga não está passando o recado corretamente. É só abrir o jornal de hoje pra ver que tem gente esperando recrutar um Super Homem (ou a Mulher Maravilha) cujas habilidades necessárias estão muito longe de ser as reais.

É claro que o espaço é curto e a vaga precisa ser atraente, mas os anúncios estão muito mal descritos ultimamente. Na área de comunicação social (que pertence ao meu mercado) por exemplo, tem gente procurando em um único profissional, habilidades de três graduações diferentes. Se forem contratar um jornalista que escreve para a internet hoje, exigem que ele tenha habilidades com publicidade, design, desenvolvimento de sites, planejamento de marketing etc. Só nesse vaga tem competências de quatro profissionais diferentes, que se graduaram em escolas distintas.

Com o mercado escasso, o que os profissionais fazem? Refazem o currículo e colocam um pouquinho de cada área para atrair a atenção do solicitante. Isso dá certo? Claro que não! Em pouco tempo o trabalhador está insatisfeito e o empregador sai por aí dizendo que não encontra gente qualificada. O fato é que achar o Super Homem não é tão simples, e essa vaga poderia ficar aberta durante um bom tempo até encontrar alguém interessado. Mesmo porque, o cara que tem quatro graduações diferentes provavelmente já estará muito bem empregado (se não tiver a sua própria empresa).

E qual é a descrição correta?

A boa notícia é que não há desculpas para não descrever o cargo adequadamente. O CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) oferece a lista completa das competências e habilidades que cada cargo no Brasil deve conter.

Basta acessar http://www.mtecbo.gov.br/cbosite e procurar a ocupação desejada.

Use e abuse dessa ferramenta, que sem dúvida irá te ajudar na busca por um profissional correto pela necessidade que a sua empresa tem.

 

 

Por que a rotatividade em empresas que empregam pessoas criativas é grande?

criatividade-e-inovac3a7c3a3o

Esse texto foi publicado originalmente por mim, no caderno Admite-se do Jornal Estado de Minas

O mercado da criatividade está em crise. Não, não é por falta de mão de obra nem de clientes (por enquanto). O motivo é a unanimidade da resposta que se tem ouvido desses profissionais quando questionados: “Para você, qual é o melhor lugar do mundo para trabalhar?”. – “No meu próprio negócio”. O salto de empregado para CEO (sigla em inglês que significa Diretor Executivo) é a bola da vez. Quando falamos de pessoas que trabalham com internet então, a vida útil da CLT parece ter os dias contados.

“Você não precisa ir à faculdade para ser um empreendedor ou para desenvolver um software”, afirmou com veemência o desenvolvedor John Meyer, que aos 19 anos recusou propostas da Apple, do visionário Steve Jobs. Segundo ele, as chances da empresa voltar a contactá-lo são infinitas, o que faz dele e tantos outros jovens assumirem o risco ao invés de se preender a uma rígida estrutura do mercado de trabalho tradicional.

Continue reading Por que a rotatividade em empresas que empregam pessoas criativas é grande?

O caso do trabalhador que perdeu seus direitos por causa do Facebook*

trabalhador_facebook

Carlos tem 30 anos e trabalhouna área de produção em uma multinacional durante sete anos. Ficou afastado do emprego por seis meses por problemas psiquiátricos ocasionados por assédio moral sofrido na empresa. No final da licença, quando retornou às atividades, foi demitido.

Imediatamente, como qualquer trabalhador indignado faria, Carlos procurou um advogado para assegurar seus diretos, principalmente devido ao adoecimento mental e comprometimentos que a depressão havia lhe causado até na vida pessoal. A perícia forense provou em um laudo judicial que o adoecimento de Carlos de fato havia acontecido a partir da vivência profissional nessa empresa – e acreditem: provar questões psicológicas no âmbito do trabalho não é assim tão fácil.

Bom, com a prova da perícia, causa ganha, certo? Era o que Carlos (e o advogado dele) também achavam. Durante a audiência, o advogado da empresa – que estava do lado oposto de Carlos, questionou se o trabalhador já não havia tido problemas psicológicos antes do período em que esteve na multinacional. Obviamente, Carlos rebateu com a indignação de ter desenvolvido um sintoma nunca imaginado após os assédios sofridos na vida laboral.

Continue reading O caso do trabalhador que perdeu seus direitos por causa do Facebook*

3 motivos pelos quais o mercado deve se ajudar mais

1

Com o passar do tempo, a experiência de administrar um negócio próprio voltado para a área de Publicidade Digital revela-se cada vez mais surpreendente.  A sensação de lidar com o cliente e entender com afinco os seus objetivos talvez seja a parte mais encantadora, que nos faz apaixonar por aquele negócio como se ele fosse nosso, e é.

Por um lado não tão happy do ofício, alguns comentários tem se tornado rotina entre as pessoas que batem à nossa porta procurando pelos nossos serviços. Grande parte chega com um enorme receio de valores, prazos e qualidade, relatando experiências anteriores. As mais comuns são erros de português, “me prometeram X e não cumpriram”, “já paguei muito menos por isso”, dentre outros.

É amigos, não é fácil convencer a pessoa a contratar um serviço que o sobrinho dela pode fazer de graça ou que algum picareta fez antes. Mas aí você me diz: ‘é só mostrar seu portfólio’, certo? Pior que não, viu?! O que tem de gente que também usa esse artifício de forma errônea, não é brincadeira. O site está cheio de marcas grandes e projetos mal vistos a olho nu.

Por isso acredito que só existem três caminhos para esse mal do século na nossa profissão: amar esse mercado, cuidar dele como um filho e exigir muito que a concorrência seja boa e forte!

Continue reading 3 motivos pelos quais o mercado deve se ajudar mais

Você sabe o que é Psicologia do Consumo?

noted_shoppingmen_header

Se você também não tem uma resposta, mas várias outras perguntas a partir desta, você está no caminho certo. Dentre os serviços que a minha empresa oferece, um deles é esse que parece uma varinha mágica do Marketing. Entretanto, já gantimos para o cliente que essa não é uma entrega, mas uma pesquisa imensa da qual a gente nunca irá terminar (se alguém disser pra você que acabou, não acredite). A Psicologia é como a “Internet das coisas”, parte de um processo, que vale muito mais do qualquer produto final.

Mas é claro que para oferecer esse ‘olhar treinado para observar o meio e não o fim’,  a gente segue alguns pressupostos básicos. Como é nossa premissa compartilhar conhecimento, aqui vão alguns pilares com os quais a gente aposta neste trabalho.

  1. Esqueça as pesquisas online. O questionário sobre intenção de compra quando você não pode ver o consumidor é furada! Pense que na internet o usuário pode ter acabado de fazer uma compra não bem sucedida e chega essa pesquisa pra ele responder. Imagina a resposta? A internet também é um mix de sentimentos e identidades criadas e muitas vezes a resposta pode ser distorcida com a emoção que atravessa a conversa do bate papo sobre a festa de sábado a noite, por exemplo. Pense também naquele sujeito que deseja ter a vida dos amigos, que viajam e tem fotos mais divertidas que a dele no Facebook. São muitas variáveis (e abas abertas) que dispersam a real intenção de compra. Portanto, não confie cegamente. A gente trabalha com algumas pesquisas rápidas sobre o uso da internet em geral, mas jamais para qualificar o ‘desejo de consumir’. Para isso, usamos pesquisas físicas como o Card Sorting e outras que levam a experiência online para o offline. 
  1. Tendências? Fique com as experiências. Não generalize nem subestime seu público pelo efeito da manada. É fato que o poder viralizador da internet contamina sim, e muito, em um tempo jamais imaginável. Entretanto, não é todos os dias que as mesmas notícias impactam as mesmas pessoas. Cada público formado tem um comportamento diferente. Observe, converse e veja a reação. São esses feedbacks de expressão de emoções é que constroem a sua pauta. Opte pelo que está na moda naquele grupo, não invente a sua. 
  1. Expressar opinião? Pode sim! São pessoas. Não é o sonho de qualquer empresa ver sua marca humanizada e no papel de best friend do consumidor? Então, se posicionar (obviamente que de forma estratégica) faz toda a diferença. Não estou dizendo para sair defendendo seu time do coração, seu partido político ou religião; mas tente (de forma sensata) não estabelecer somente uma relação empresa – consumidor. Falar sobre o sentimento de uma determinada época do ano, por exemplo, não é uma má ideia. Não esqueça que a ideia não é contrariar o seu público, mas fomentar discussões e principalmente, desfile de opiniões. É aí que se conhece com quem está falando.

Além do meu conhecimento acadêmico que adquiri na faculdade de Psicologia, nosso ‘buscador de respostas’ é a experiência. É o dia a dia conhecendo o cliente e seus consumidores e observando passo a passo da história que é construída ali naqueles canais que administramos.

As quatro principais tendências que impactarão o consumo em 2015

2

Uma cliente da Tea With Me, do ramo de laticínios, me enviou essa matéria originalmente publicada neste site, que achei muito legal! Pelo andar da carruagem, a humanização das marcas é mesmo inevitável (ainda bem). Confira as tendências para atrair essas pessoas e cole-as na sua área de trabalho para não esquecer.:)

A Mintel, consultoria na área de pesquisa de mercado especializada em mapeamento de inovações e novas tendências de consumo final, divulgou recentemente um relatório sobre as tendências do consumo no Brasil no ano de 2015. Este relatório aponta 4 vertentes que, segundo a consultoria, irão conduzir os negócios no próximo ano são: questões de gênero em pauta, busca pela felicidade, lute por seus direitos e fique conectado.

Continue reading As quatro principais tendências que impactarão o consumo em 2015

A febre do Selfie – Jornal Estado de Minas

twm-cica

No último domingo (30/11) dei uma entrevista para o Jornal Estado de Minas para falar sobre o fenômeno do Selfie em redes sociais. A matéria mesclou a experiência em Marketing Digital e o conteúdo da minha monografia em Psicologia (recém aprovada) sobre o Compartilhamento na Internet como construção de identidade do sujeito.

Veja a seguir a matéria completa. 

Continue reading A febre do Selfie – Jornal Estado de Minas

O compartilhamento na Rede Social: Facebook e processos de construção de identidade

1

Apresentei ontem (25/11) na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), uma pesquisa acadêmica como conclusão do curso de Psicologia – minha segunda opção de graduação. Confira abaixo um resumo da proposta.

A discussão sobre os novos padrões de relacionamento, comunicação e formação de grupos na internet tem sido pauta em assuntos relacionados à organização social moderna. Em meio ao acesso desenfreado às Redes Sociais Virtuais através de celulares e computadores, a informação sem fronteiras segue uma lógica de interações que mistura sujeitos e empresas em uma rede de compartilhamento infinita.

O objetivo do trabalho foi investigar os motivos que levam os sujeitos a compartilhar postagens no Facebook, tendo em vista a presença de assuntos diversos, em uma mídia em que o usuário é o produtor de conteúdo e escolhe na sua própria página, o que é ou não interessante para os seus ‘leitores’.

Assim, pretendeu-se identificar as características das postagens (conteúdo, texto, foto, vídeo ou link) que levam os sujeitos a compartilhar conteúdos em seus perfis pessoais, tais como: religião, assuntos pessoais, política e economia. Complementar a esta análise, serão estudas as expectativas criadas a partir de um compartilhamento em relação à popularidade/visibilidade, status e pertencimento a um determinado grupo social, cultural e econômico, o que nos leva a questionar os processos de construção de identidade nesse contexto virtual interacional.

Por ser um tema emergente por possibilitar novas formas de relacionamento entre as pessoas no mundo contemporâneo, a Psicologia ainda carece de pesquisas que entendam e analisem o comportamento dos usuários em uma mídia instantânea e simultânea, que exige a cada dia mais, o tempo de quem usa. No entanto, os estudos relacionados às Redes Sociais como o Facebook, já são realizados com maior intensidade, pelas áreas de Comunicação Social e Marketing. Isso foi constatado quando da pesquisa em sites acadêmicos tais como Scielo e Pepsic, dentre outros.

Há cinco anos o Marketing Digital praticado na Internet e a forma com que as pessoas se engajam na rede tem sido meu objeto de trabalho. Desde a graduação em Comunicação Social, o culto às celebridades instantâneas, e o universo da ‘arte biográfica’ que gira em torno do contexto de narrar a vida, pautam meus estudos. Em 2008, para a conclusão do curso de jornalismo, falei sobre “O cinema e a reconstrução do personagem: estudo sobre a reapropriação da celebridade Kurt Cobain a partir do filme Last Days (2005)”. Em 2009, escrevi sobreA morte do personagem midiático: um estudo sobre Kurt Cobain na revista Rolling Stone Brasil, 15 anos após o seu suicídio”, em um artigo científico de conclusão de curso de pós graduação.

Durante a minha trajetória profissional, trabalhei com grandes marcas como Ricardo Eletro, Usiminas, Fiat e o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas como Analista de Mídias Sociais e Comunicação na Internet.

Olhar os números das Redes Sociais em 2013 ajuda a reforçar a relevância do tema. A pesquisa F/Radar, idealizada pela F/Nazca Saatchi & Saatchi em parceria com o Instituto Datafolha, entrevistou pessoalmente 2.236 pessoas, com 12 anos ou mais, de todas as classes sociais. Os dados correspondem a maio de 2013. Segundo a pesquisa, os internautas somam mais de 84 milhões de brasileiros – ainda segundo a pesquisa, há uma estimativa de mais de 157 milhões de brasileiros com mais de 12 anos em 2012, o que significa dizer que pelo menos metade da população com mais de 12 anos está usando a internet.

Para compreender este universo, a pesquisa a seguir pretendeu utilizar a maior Rede Social mundial deste momento, a norte-americana Facebook. Tendo em vista  a caracterização desta como uma das maiores e mais promissoras empresas de investimento financeiro (inclusive com ações na Bolsa de Valores), justifica-se observar o tipo de interação que é feita hoje por empresas e pessoas simultaneamente.

Uma prática bastante comum nesta é rede é a de compartilhar conteúdos para que outras pessoas possam ter acesso a eles. O compartilhamento é uma prática de replicar a informação que aparece através de uma pessoa (outro usuário) ou Fan Page que o sujeito escolhe acompanhar em sua rede social. É diferente de publicar um conteúdo de sua própria autoria, mas  dar visibilidade a um conteúdo já publicado por outrem.

Assim, o trabalho pretendeu investigar esse fenômeno através de uma análise da rede social virtual Facebook e a lógica de interações envolvida na dinâmica de relacionamento, e compreender o ato do compartilhamento como uma das facetas relativas à construção de identidade do sujeito. Posteriormente, através de uma entrevista com os próprios usuários, identificou-se as razões pelos quais eles compartilham e qual é a característica do conteúdo compartilhado, relacionando-o com objetivos de consumo, políticos, religiosos, dentre outros.

Alguns resultados da pesquisa podem ser vistos aqui:

http://pt.slideshare.net/cinthiademaria/slideshelf